Menu
 


Banner
Trinta dias na estrada - Cesar
Publicado em: 17/03/2016

Hoje completam-se exatamente 30 dias que estamos na estrada, morando dentro de um motorhome. Foram oito países, quase 4 mil quilômetros e várias cidades – fiquei com preguiça de contar. É tanta coisa que é praticamente impossível resumir essa experiência em um único texto. Mas vou tentar . . .

Adaptação talvez seja uma das palavras mais corretas para descrever tudo até agora: adaptar-se a dirigir um carro grande, a tomar banho cada dia num banheiro, a comer coisas diferentes todos os dias, a ouvir idiomas novos a cada parada, a segurar o choro ao ouvir histórias de guerra, a dormir dentro de um carro, a não ter medo de dormir dentro de um carro e mais um monte de coisa.

Passamos por momentos emocionantes – ao ouvir o guia contando sobre a guerra em Sarajevo -, de alívio – ao conseguir recarregar o botijão de gás do carro -, de nervoso – negociando o valor de uma corrida de táxi clandestino em Montenegro -, de stress – procurando campings quando o GPS manda para o endereço errado -, e de extrema felicidade: de estarmos fazendo tudo isso juntos, como um casal, e aprendendo a cada dia que passa a conviver melhor um com o outro.

Estar em tantos lugares diferentes em tão pouco tempo me fez pensar muito sobre o lugar de onde venho. Não especificamente a cidade, mas sim o Brasil. Tenho pensando dia após dia sobre a questão da violência cotidiana que vivemos em cidades como São Paulo e o quanto isso é insano quando você tenta olhar de fora – não necessariamente de fora do país, mas com o olhar do outro, porque é nítido o choque das pessoas, seja de onde forem, quando contamos um pouco sobre como é a violência diária no Brasil.

Enfim, ainda temos 150 dias pela frente e muitos outros países, pessoas, comidas e lugares diferentes para conhecer. Não podemos adivinhar como vai ser, mas considerando estes últimos 30 dias, a expectativa não poderia ser melhor e a ansiedade só aumenta.

Pela primeira vez na vida posso repetir um bordão que jamais imaginei falar: só melhora!


Comentários

Este post ainda não recebeu nenhum comentário. Seja o primeiro!

Comentar