Menu
 


Banner
Viagem para Islândia: dia 1
Publicado em: 07/05/2018

É praticamente impossível explicar a Islândia por meio de posts aqui na blog. Passamos 10 dias incríveis por lá e chegamos à conclusão que a melhor maneira de - tentar - contar a experiência é em formato de diário de viagem.

Portanto, vamos publicando o que rolou dia a dia, dando dicas, informações e tentando fazer com que vocês sintam pelo menos um pouquinho daquilo que passamos neste lugar mágico.

Dia 1
Quase 12 horas de voo para Paris, e mais 3 horas até Reiquiavique, capital da Islândia.

Apesar do cansaço, chegamos animados porque era o último dia das excursões para ver a aurora boreal. As ondas eletromagnéticas existem durante o ano inteiro, mas como o país está localizado muito ao norte, quando o verão está próximo as chances de ver o fenômeno diminuem bastante, porque as noites ficam menores e mais claras.

As empresas que oferecem esse serviço têm uma data limite: 15 de abril, exatamente quando chegamos lá. Se você quiser muito ver a aurora boreal, dê preferência para os meses de inverno, porque as chances serão muito maiores.

Em Reiquiavique, ficamos hospedamos num hotel no centro da cidade, o Storm by Keahotels. Ele é bem confortável e todo o pessoal foi muito bacana com a gente.

Uma dica que não daremos nos posts sobre Islândia: maneiras para economizar! Taí uma coisa impossível naquele país. Tudo é caro, muito caro. Alguns passeios são complicados de fazer por conta própria, por isso, na hora de contratar as empresas não se assuste com os preços e fuja dos mais baratos - falaremos disso ao longo dos posts.

Como tivemos pouco tempo na capital, mal desfizemos as malas e corremos para o Mikkeler & Friends para comer uma pizza e descobrir algumas cervejas locais. Nada como ter um bom bar cervejeiro para o Cesar ficar feliz.

Neste mesmo dia ainda caçamos a aurora boreal e, depois de quase 24 horas de viagem, só mesmo um Redbull para ajudar na missão. Existem muitos tipos de excursão para fazer esse passeio. Optamos pela Artic Adventures.

A maioria destas excursões utiliza o ônibus como meio de transporte, mas escolhemos uma que vai com um jipe 4x4 enorme, porque ele chega a lugares mais afastados e aumenta a possibilidade de ver o fenômeno.

A noite tinha muitas nuvens, mas a atividade de ondas eletromagnéticas estava a nosso favor. Infelizmente, só conseguimos ver as luzes através das lentes da câmera. Ainda assim, estávamos esperançosos em ver a aurora boreal em outra noite, pois ainda teríamos mais 10 dias de viagem. Mas acabou não rolando.

O primeiro dia também serviu para o clima islandês dar as boas-vindas: mesmo estando super agasalhados, passamos um dos maiores frios da nossa vida nesta primeira noite caçando a aurora boreal. Nem o chocolate quente oferecido pela turma da agência resolveu.

Mesmo gelados e frustrados voltamos para o hotel animados, porque havia sido só o primeiro dia e ainda tínhamos muita coisa pela frente.


Comentários

Este post ainda não recebeu nenhum comentário. Seja o primeiro!

Comentar