Menu
 


Banner
Cervejas na Alemanha: dicas para fugir do óbvio
Publicado em: 02/03/2015

Sim, o título já explica mais ou menos qual é o objetivo deste texto. Boa parte das pessoas pensa em cerveja quando ouve o nome Alemanha, e elas estão certíssimas, já que por lá é a bebida de maior tradição e mais consumida pela população. Não importa a cidade em que você estiver, haverá alguma receita regional e super fresca para provar, portanto, a chance de dar errado é muito pequena, sobretudo porque mesmo uma cerveja que não é tão boa assim, é melhor do que muita coisa vendida no Brasil - das marcas mais comerciais, ok? Com tantas opções nem sempre é fácil escolher um lugar para tomar uma antes ou durante o almoço ou jantar, por isso, daremos dicas de cinco lugares em cinco cidades pelas quais passamos durante nossa roadtrip alemã em abril de 2014.

Fuja da Hofbrauhaus em Munique

Não, a cerveja não é ruim, muito pelo contrário. No entanto, esta é uma, se não a mais, famosa cervejaria da cidade e fica lotada, mas lotada mesmo, de turistas. O frescor e a qualidade da cerveja não valem a pena pela muvuca que forma em frente e dentro do prédio, localizado bem no centro da cidade, na Platzl. Exatamente em frente ao prédio da Hofbrauhaus está a Wirtshaus Ayingers, restaurante pequeno e tradicional da cervejaria de mesmo nome. Para o Cesar esta é uma das melhores cervejarias alemãs e produz uma das melhores doppelbocks do mundo, a Celebrator - vendida no Brasil em garrafas. O menu do restaurante é enxuto e obviamente cheio de receitas típicas da região da baviera, com sopas incríveis, salsichões, muito porco e vitela. A visita é obrigatória para quem quer beber bem em Munique, principalmente pela possibilidade de provar as cervejas extremamente frescas. Tomamos uma helles, a celebrator e uma sazonal de Páscoa, que o Cesar não lembra o estilo, todas em chope.

Surpresa em Heidelberg

Cada região alemã tem uma cerveja própria e dificilmente você encontra estilos de locais mais afastados, por isso, no sul da Alemanha - onde passamos a maior parte do tempo - é praticamente impossível tomar uma altbier, por exemplo, receita tradicionalíssima das cidades do norte. Com isso em mente, e como passaríamos por cidades menores do sul, a ideia era procurar lugares pequenos para conhecer a produção local da melhor maneira possível. Em Heidelberg foi exatamente assim que encontramos a Kulturbrauerei, microcervejaria um pouco escondida no centro da cidade. O restaurante estava super vazio no dia em visitamos para almoçar, com apenas alguns moradores tomando as canecas de um litro de cerveja e batendo papo. Como eles não ofereciam uma degustação, o jeito foi pedir os três estilos que estavam disponíveis em chope: uma lager, que deveria ser uma helles mas o Cesar não lembra o estilo, uma weiss e uma pale ale sazonal de Páscoa. Todas extremamente saborosas e frescas, graças à produção ficar literalmente ao lado do restaurante, de onde é possível ver os fermentadores.

Bebendo na feira em Nuremberg

Já havíamos feito a lista de cervejarias e restaurantes para visitar, mas durante uma passeio descobrimos uma feirinha de produtos locais bem no centro da cidade, que só acontece aos sábados. Pão de mel, flores, embutidos e queijos de tudo quanto é tipo dominam as barraquinhas, mas, no meio da muvuca, estava lá um alemão com algumas garrafas de cerveja em cima de uma mesinha. Passamos uma vez e o Cesar ficou interessado, mas não paramos. Depois de uns 20 minutos andando, com peso na consciência, ele disse que queria voltar para provar a cerveja e acabou sendo uma experiência incrível. O homem não era muito de conversa, mas conseguiu explicar que tinha uma produção super pequena e gostava de fazer experiências com receitas diferentes das clássicas alemãs, sobretudo com lúpulos americanos. A única cerveja que ele estava vendendo lembrava uma pale ale, super aromática e fresca, e foi degustada em pé mesmo, com um copo de plástico, em frente à barraquinha. Mesmo com o insistente pedido, o alemão não deixou que fôssemos conhecer a produção. Talvez ele nem fique na feirinha sempre, mas se você tiver a oportunidade de passear por ali num sábado, vale a pena procurá-lo e tomar uma autêntica cerveja caseira alemã.

Bamberg muito além das rauchbiers

A cidade é o lar das tradicionais cervejas defumadas, chamadas de rauchbiers, e obviamente a visita à Schlenkerla e à Spezial é obrigatória, já que são as duas cervejarias mais famosas da cidade e do estilo. Sem dúvida você tomará ótimas cervejas nestes lugares, mas a dica para Bamberg é um bar um pouco afastado do centro, chamado Café Abseits. Só a carta de cervejas já vale a pena, porque, além das tradicionais rauchbiers, weiss, helles e outros estilos, o lugar privilegia a produção mais nova alemã, com receitas inventivas que nada seguem a lei da pureza, que estabelece somente água, malte, lúpulo e fermento como ingredientes para a cerveja. Além da vasta opção de porters, imperial stouts e outras cervejas extremas, o proprietário do lugar, Gerhard, é uma figura e vai adorar bater um papo sobre qualquer coisa. No dia em que estivemos lá, ele sentou-se à mesa conosco e ficou o jantar inteiro batendo papo sobre o mercado de cerveja no Brasil. Nem sempre era possível entendê-lo, por conta do sotaque, mas conseguimos conversar bastante e ainda dividimos boas garrafas. Vale a visita pelas cervejas e simpatia do Gerhard.

Alta gastronomia com cerveja em Berlim

Harmonizar comida e bebida é bastante comum em restaurantes do mundo inteiro, mas o que acompanha a criação dos chefs sempre é o vinho e nunca a cerveja. Em Berlim, ao menos no Das Meisterstück, a história muda completamente. O restaurante tem uma churrasqueira no meio do balcão de atendimento, onde são grelhadas linguiças e salsichões de vários tipos. As geladeiras são repletas de cervejas tradicionais e da nova escola alemã, com IPAs, imperial stouts e outros estilos inovadores, como uma weizen ipa, por exemplo. A melhor opção do cardápio é o menu-degustação de quatro tempos (três salgados e uma sobremesa) harmonizado com cervejas. Por mais que as receitas pareçam tradicionais, percebe-se um toque de alta gastronomia na comida, com técnica e ingredientes diferentes daqueles utilizados em restaurantes mais antigos. O mesmo para a cerveja, que acaba sendo a protagonista, sobretudo pela grande quantidade e variedade disponível para provar.


Comentários

Este post ainda não recebeu nenhum comentário. Seja o primeiro!

Comentar